Preparai o caminho do Senhor

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB – aprovou em sua última assembleia geral que, com o primeiro domingo do advento, iniciará, no Brasil o Ano da Paz. E o segundo domingo do Advento nos convida a refletir sobre “preparar o caminho do Senhor!”.

Os caminhos de Deus se nos apresentam repletos de confiança em Deus e esperança no Senhor Jesus que vem e inaugurará um novo tempo, um tempo de justiça e de paz, não a justiça “caolha” dos homens, mas a justiça divina.

Nosso Senhor Jesus Cristo está no meio de nós. Por isso Ele vem ao nosso encontro. Ele quer montar uma tenda no nosso meio. Mais fica pergunta inquietante: será que nós estamos abertos para nos encontrarmos com o Senhor. Por isso o profeta Isaías, sempre inquietante e vigilante, nos dá uma resposta: “Preparai no deserto o caminho do Senhor, aplainai na solidão a estrada de nosso Deus. Nivelem-se todos os vales, rebaixem-se todos os montes e colunas; endireite-se o que é torto e alisem-se as asperezas: a glória do Senhor então se manifestará, e todos os homens verão juntamente o que a boca do Senhor falou”(Is 40, 3-5).

Se andamos na amizade com Deus, nas searas do Senhor, virá a consolação divina: “Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade, e a vossa salvação nos concedei”(Sl 84).

Por isso o início do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus, anuncia que virá na frente um mensageiro para prepara o seu caminho: a voz que grita no deserto e que hoje, mais do que ontem, diante do indiferentismo religioso e da perda do sentido do sagrado, é atualíssima. Essa voz deve nos interpelar: “Preparai o caminho do Senhor, endireitai suas estradas!”(Mc 1,3).

A figura de São João Batista, o precursor, que pregou o batismo de conversão, o batismo de mudança de vida, nos dá um grande conforto e o exemplo a seguir neste tempo de advento: “Confessavam seus pecados e João os batizava no rio Jordão”. Realmente o confessionário anda fora de moda para muitas pessoas. Elas se afastam de Deus. Estas pessoas não tem a intimidade com Deus e com a Igreja. Uma confissão completa purifica nossos pecados, lava nossa infidelidade e nos convida a viver na santidade, fazendo o que fez João Batista: “se vestia com uma pele de camelo e comia gafanhotos e mel do campo”.(Mc 1,6).

E, João Batista, nos dá o recado certo resumindo o que vivemos no Advento: “Depois de mim virá alguém mais forte do que eu. Eu nem sou digno de me abaixar para desamarrar suas sandálias. Eu vos batizei com água, mas ele vos batizará com o Espírito Santo”(cf. Mc 1, 7-8).

Assim, neste tempo de graça e de esperança, que é o Advento, nos preparamos para receber o Senhor, fiéis a advertência do Apóstolo Pedro: “O dia do Senhor chegará como um ladrão, e então os céus acabarão com barulho espantoso; os elementos, devorados pelas chamas, se dissolverão, e a terra será consumida com tudo o que nela se fez”(2Pd 3,10). Guiados pela voz do Espírito do Senhor, intensifiquemos nossa vida espiritual neste tempo, na certeza de que Jesus vem ao nosso encontro com o seu auxílio divino. Vinde, Senhor, e libertai-nos, e, dai-nos a paz ao povo brasileiro!

Anúncios