Afastai-vos dessa gente corrompida (At.2,40)

Dom Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá (PR)

Na convivência do dia a dia estamos vivendo uma batalha permanente entre aqueles que têm a mente corrompida e que odeiam a verdade, e até fazem da oração uma fonte de lucro. É uma disputa entre homens corruptos, longe da verdade, e pensam estar fazendo bem à coletividade, realizando o bem comum. Mentes e coração ávidos do lucro, provocando ódio, indignação e despertando sentimentos de vingança. A coletividade, o povo quer gritar, quer se manifestar, quer reivindicar a dignidade e o direito de viver na justiça. A paz que queremos, que desejamos, é fruto da Justiça (Is.32,17).

“Todo ato de injustiça e desamor é pecado e fonte de violência. Ela sempre aparece quando é negado à pessoa aquilo que lhe é de direito a partir de sua dignidade ou quando a convivência humana é direcionada para o mal. A violência nega a ordem querida por Deus.” (CF 2009 nº 197).

A corrupção, em todas as áreas, além de ser um péssimo exemplo principalmente para as crianças e jovens, líderes em potencial, é uma ameaça à paz social e à garantia de segurança. Como diz a palavra: “Movidos por sórdida ganância, tais mestres os explorarão com suas lendas e artimanhas. Todavia, sua condenação desde há muito tempo paira sobre eles, e sua destruição já está em processo” (2 Pd. 2,3).

O grito que a nação brasileira tem entalado na garganta é o grito pela dignidade, pela segurança, pela educação, pela saúde, pela vida na sua totalidade. As manifestações pacíficas e ordeiras têm como objetivo fazer calar essas vozes de aparências, de promessas e discursos bonitos, de líderes cujo poder é exercido em beneficio próprio. A crítica precisa ser feita a todos os partidos, às instituições e também à iniciativa privada.

A Palavra de Deus é direta: “É necessário fazê-los calar, pois, motivados pela cobiça, transtornam casas inteiras, pregando o que não convém” ( Tito 1,11). Um Brasil que nasceu aos pés da cruz, tem raízes cristãs, tem povo temente a Deus, tem amor e honestidade em ganhar o pão com o suor do próprio rosto.

Por isso é inadmissível que os nossos líderes políticos, com a conivência da iniciativa privada, continuem promovendo e legitimando a corrupção. Precisamos de uma reforma política.

Ninguém queira fazer justiça com as próprias mãos. Lembremos o que o Apóstolo Paulo fala à comunidade Tessalônica: “Então, será plenamente revelado o perverso, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e destruirá pela gloriosa manifestação da sua vinda (2 Tes 2.8,11).

Deus é o autor da Justiça. O julgamento do perverso e do corrupto está ardendo nas mãos de Deus. Vamos tomar cuidado para que o nosso coração não se perverta, não seja incrédulo, afastando-se do Deus vivo e verdadeiro.

“Irmãos, tende muito cuidado, para que nenhum de vós mantenha um coração perverso e incrédulo, que se afaste do Deus vivo” (Heb 3-12,13). Nada pior do que uma consciência pervertida.

O profeta Ezequiel faz uma alerta para a coerência entre a fé e as obras: “O meu povo vem a ti, como costuma fazer, e se assenta para ouvir a tua pregação, mas não coloca a Palavra em prática. Com a boca eles chegam a expressar louvor e devoção, mas o coração dessa gente dá mais importância ao lucro, estão ávidos por ganhos injustos” (Ez 33,31).

No sermão das Bem-Aventuranças Jesus é taxativo: “Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados Filhos de Deus” (Mt 5,9). Se acreditamos que Deus é verdadeiramente o nosso Criador e Pai, é nossa obrigação de filhos e herdeiros de seu Reino promover a Paz, lutando contra a injustiça. Que Deus nos abençoe. Boa semana pra você e sua família!