Aumenta a intolerância e discriminação contra os cristãos na Europa: 241 casos em 2013

18/05/2014 | Fides

Em 2013, o Observatório sobre intolerância e discriminação contra cristãos na Europa (veja Fides 1/10/2010) registrou 241 casos de intolerância contra os cristãos no direito e na política, nas artes e nos meios de comunicação.

Durante os últimos anos, o Observatório fez o levantamento de “uma enorme quantidade de casos de vandalismo contra sítios cristãos e lugares de culto”, não obstante seja impossível uma análise comparativa, pois os governos europeus em geral não separam os dados em relação ao cristianismo.

Segundo o relatório relativo a 2013, publicado recentemente pelo Observatório, cuja comunicação foi enviada à Agência Fides, “os dados limitados que existem indicam que os fatos ligados ao ódio contra os cristãos na Europa estão aumentado”. São 133 os casos de vandalismo contra lugares de culto ocorridos em 11 países europeus, documentados no relatório.

A intolerância contra os cristãos no direito e na política – observa o texto – se verifica, sobretudo, no âmbito de limitar os direitos dos pais em matéria de educação sexual, e também no campo da liberdade de reunião. O relatório examinou 41 leis em 14 países europeus que impedem o livre exercício da fé aos cristãos. As expressões artísticas e a ampla articulação dos meios de comunicação, e as redes sociais, estão se tornando um novo terreno de intolerância contra cristãos: O Observatório registrou 15 casos em 6 países em 2013.

“O respeito é um conceito chave para a compreensão dos direitos humanos em geral e, em particular, para a liberdade religiosa ou de crença”, observa o relatório, enquanto o Dr. Gudrun Kugler, diretor do Observatório, explica: “A sociedade cada vez mais secularizada na Europa oferece cada vez menos espaço ao cristianismo.

Alguns governos e protagonistas da sociedade civil procuram excluir em vez de acolher. Existem vários casos de intolerância contra os cristãos que são relatados a nós. Através de pesquisa, documentação e publicação destes casos, esperamos criar uma consciência, que é um primeiro passo para uma solução”.

Fonte: Agência Fides