Papa exorta Pontifícias Obras a promoverem a “corresponsabilidade missionária”

Membros das Pontifícias Obras Missionárias (POM), de todos os continentes, estiveram reunidos, entre os dias 5 e 10 de maio, em Roma, em Assembleia Anual. Na sexta-feira, dia 9, o papa Francisco recebeu, em audiência, os participantes do encontro e colaboradores da Congregação para a Evangelização dos Povos. Na ocasião, o papa pediu aos presentes que “acolham com amor preferencial os pobres, deixando abertas as portas da Igreja para que todos entrem e encontrem refúgio”.

 O papa Francisco, em seu pronunciamento, reiterou o desejo de uma Igreja em missão, como afirma na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium. “Evangelizar, neste momento de grande mudança social, requer uma Igreja missionária, toda em atitude de saída, capaz de discernir e enfrentar as diferentes culturas e visões de homem”, afirmou.

Francisco também afirmou que, no contexto do mundo em mudança, é necessário que a Igreja seja transformada pela contemplação e contato pessoal com Cristo pelo poder do Espírito Santo. “É o Espírito de Cristo, a fonte de renovação, que nos faz descobrir novas formas, novos métodos criativos, várias formas de expressão para a evangelização do mundo de hoje. É Ele que nos dá a força para empreender o caminho missionário e a alegria do anúncio, para que a luz de Cristo ilumine aqueles que ainda não o conhecem ou o rejeitaram”, disse.

O papa disse que a Igreja é “missionária por natureza” e tem como “prerrogativa fundamental” o serviço de caridade a todos, recordando ainda a preferência pelos pobres, a quem o anúncio deve chegar primeiro. Francisco definiu as POM como ”o instrumento privilegiado que chama à “missio ad gentes” e exortou os membros a promoverem a “corresponsabilidade missionária”.

Compromisso

O prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, cardeal Fernando Filoni, firmou um compromisso com o papa Francisco de realizar “o sonho de um Igreja em transformação missionária”.

O cardeal Filoni fez o compromisso em nome dos diretores nacionais das Pontifícias Obras Missionárias. A promessa é que se chegue a todos os lugares e “que tenha a cor das pessoas em meio às quais se encontra, que viva na mesma condição social das pessoas com quem convive, que fale as línguas da população local, que nutra esperanças e sofra as mesmas dores das pessoas que a compõem, que anuncie a todos a Boa Nova, que se faça próxima de toda religião que encontre e anuncie a mesma paz de Jesus ressuscitado”, prometeu o cardeal em seu discurso.

Ele também recordou a oferta dos fiéis de todo o mundo, “gente simples, comum e quase sempre pobre”, lembrou.

Assembleia

A Assembleia das POM acontecem anualmente. Este ano, a reunião que teve início no dia 05 e se estendeu até sábado, dia 10. Mais de 100 diretores nacionais dos cinco continentes participaram. O padre Camilo Pauletti representou o Brasil.

De acordo com o prefeito para a Evangelização dos Povos, cardeal Fernando Filoni, as POM se reúnem “para que o trabalho, a oração, o amor pela evangelização cheguem concretamente às Igrejas mais carentes, às jovens Igrejas e às Igrejas em formação, pequenas ou grandes, próximas ou distantes”, resumiu.