Jesus é pastor, porta e caminho que leva à vida abundante

10155935_663150897086211_985961743002106687_n
Estimados Irmãos e Irmãs!

A Liturgia do 4º Domingo da Páscoa nos traz a Jesus o Bom Pastor por
excelência. Ele nos conhece, entrega sua vida por nós e nos liberta para a
vida em plenitude. Como Igreja peregrina, discípula missionária estamos
acompanhando em oração e sintonia a 52ª Assembleia da CNBB. Neste domingo
rezamos pelas vocações sacerdotais e religiosas e por todas as mães,
geradoras e defensoras da vida.
Segue em anexo a riqueza espiritual que nos vem de nossos fiéis Irmãos
teólogos com o aprofundamento da Palavra de Deus!
Com estima fraterna,

Ir. M. Liani Postai csc
Prelazia de Tefé AM

Jesus é pastor, porta e caminho que leva à vida abundante

O quarto domingo do tempo pascal é marcado pela bela imagem do bom pastor. É uma metáfora poética que nos conduz ao mundo pastoril e sugere presença, conhecimento, orientação, carinho, ternura, segurança. Reunida em torno do ressuscitado e convicta de que ele nos daria quantas vidas tivesse, a comunidade cristã pede a Deus que, apesar de sua fraqueza e contradições, encontre segurança no pastor bom, aprenda a reconhecer sua voz, como a mãe conhece os sussurros dos filhos e se comprometa com a missão de despertar, chamar, formar e enviar as diversas vocações eclesiais.

O Espírito Santo, dom que nos vem do Pai pelo Filho, possibilita aos discípulos e discípulas de Cristo, não obstante as barreiras do tempo e do pecado, uma relação pessoal com Jesus Cristo. E esta relação começa com a experiência de ser chamado pelo nome, pelo que somos realmente. A Deus não importam as funções hierárquicas, os papéis sociais ou eclesiais, os títulos de crédito ou de honra, as fraquezas éticas e morais, mas unicamente o nome, a realidade humana que existe e subsiste sob toda esta maquiagem ou sujeira. O nome expressa nossa identidade mais profunda e original.

Reconhecendo a voz daquele que nos chama pelo nome, descobrimos também que Jesus nos conduz para fora. Ao bom pastor não interessa atrair o rebanho para dentro de um redil e conservá-lo seguro, mesmo que este redil se chame Igreja. Ele não quer conduzir as pessoas a uma vida interior projetada como indiferença para com o mundo exterior. Como bom pastor, ele chama pelo nome e conduz aqueles que o ouvem para fora de si mesmos e para fora de um sistema que anestesia e, concomitantemente, separa, hierarquiza e aprisiona as pessoas. Ele chama a sair às periferias!

Neste percurso, o próprio Jesus caminha à nossa frente, livre e solidário, militante e sonhador, cordeiro e pastor. Ele não considera suficiente despertar os homens e mulheres e mostrar-lhes um caminho. Ele se faz caminho e companheiro de caminhada, um pouco à frente para dissipar medos e incertezas, mas sempre próximo para curar feridas e fortalecer nos tropeços. No fim, ele é porta aberta em forma de cruz, passagem-páscoa para a liberdade, seta que aponta para um outro mundo possível e urgente. O importante é reconhecer sua voz que nos chama pelo nome e sair porta a fora de nós mesmos.

Enquanto pastor, além de manter uma relação personalizada com cada pessoa, Jesus também reúne um rebanho, uma comunidade, uma coletividade. O caminho de saída, sem deixar de ser pessoal e tocar a cada um, é sempre comunitário, solidário. Somos ovelhas do seu rebanho, membros de um povo solidário no pecado e na graça. Recebemos o bônus e o ônus de estarmos ligados a um povo e a um mundo que caminha para a liberdade tropeçando nos próprios pés, mas que também mantem o olhar fixo naquele que vai à sua frente. Deus quis nos salvar constituindo-nos como povo!

O sonho de Deus, afirmado, firmado e confirmado por Jesus Cristo, é que a vida floresça em todas as dimensões e criaturas. Não se trata de uma vida miúda, apertada, resignada e severina, mas de uma vida abundante, transbordante, de um bem viver. Esta vida não germina senão na terra do dom de si. É entrando e saindo do redil de Jesus Cristo, vivendo nossa vida como dom, que encontraremos pastagem. É na ousadia de ir além dos limites e muros erguidos para defender privilégios e ideologias mesquinhas que encontraremos o alimento que sustenta esta vida tão sonhada quanto realizada.

Escrevendo a uma comunidade imersa numa situação de dura perseguição, Pedro convida os cristãos a suportar com paciência, como Jesus, os sofrimentos causados por terem feito o bem. Isso porque a vida abundante é um milagre que costuma contar com o engajamento crítico e profético de homens e mulheres que, conscientes de serem chamados para fora, se engajam na política, nas iniciativas e movimentos que protestam, reivindicam e transformam as estruturas sociais, jurídicas e econômicas e, com isso, acabam atraindo incompreensões e perseguições.

Senhor da messe e pastor do rebanho: faz que reconheçamos tua voz e tua presença no meio de nós e à nossa frente. Ajuda-nos a suportar com serenidade as perseguições que nosso trabalho e testemunho porventura causarem. Dá-nos coragem e liberdade para fazer da Igreja um lugar de passagem, um espaço onde entramos e de onde saímos para transformar o mundo. Concede-nos mais operários para o trabalho do Reino, mas também a corajosa liberdade de remover os entulhos de leis e tradições que impedem a tantos irmãos e irmãs realizar sua própria vocação. Assim seja! Amém!

Pe. Itacir Brassiani msf