Através do dom do conselho, Deus nos faz entender o caminho a seguir

Cidade do Vaticano (RV) – A Praça S. Pedro acolheu esta manhã cerca de 60 mil peregrinos para a Audiência Geral com o Papa Francisco.

Como faz habitualmente antes de pronunciar sua catequese, por quase meia-hora, o Pontífice percorreu a Praça em seu papamóvel para saudar a multidão – momento em que os fiéis têm o contato mais próximo com Francisco, que retribui o carinho e o entusiasmo abençoando-os e beijando as crianças.

Prosseguindo a série de catequeses sobre os sete dons do Espírito Santo, nesta quarta o Papa falou sobre o “conselho” – o dom que nos torna capazes de fazer a escolha certa no nosso dia-a-dia, seguindo a lógica de Jesus e do seu Evangelho.

O conselho, então, é o dom com o qual o Espírito Santo torna a nossa consciência capaz de fazer uma escolha concreta em comunhão com Deus. Ele nos torna sensíveis à sua voz e orienta os nossos pensamentos, fazendo-nos assim crescer interiormente, para não nos deixar agir à mercê do egoísmo e do próprio modo de ver as coisas.

Para isso, é essencial na nossa vida a oração, pois ela nos torna dóceis a esta voz, fazendo com que deixemos de lado a nossa lógica pessoal, cheia de limitações, permitindo que mature em nós uma sintonia profunda com o Espírito.

“Sempre voltamos ao mesmo ponto. A oração. Rezar é tão importante”, disse Francisco, afirmando que devemos rezar não somente as orações que aprendemos quando crianças, mas também usando as nossas palavras, pedindo ajuda e conselho.

Ninguém percebe quando nós rezamos no ônibus, na rua: rezemos em silêncio, com o coração, aproveitando desses momentos para rezar. Rezar para que o Espírito nos dê este dom do conselho.

Como todos os outros dons do Espírito, também o conselho constitui um tesouro para toda a comunidade cristã, pois podemos escutar a voz do Senhor através dos nossos irmãos: é um grande dom poder contar com homens e mulheres que nos ajudam a reconhecer a vontade de Deus na nossa vida! De fato, é justamente isto o que deve acontecer numa comunidade cristã: devemos nos apoiar mutuamente na fé, iluminando-nos um ao outro no Espírito Santo.

A este ponto, Francisco deu um “exemplo” de como este dom funciona na prática e citou uma experiência que teve no confessionário do Santuário de Lujan, na Argentina. Nesta ocasião, na fila havia um rapaz “moderno, com piercings e tatuagens”, o qual confessou um “grande problema”. O próprio rapaz disse que estava ali porque sua mãe o aconselhara a pedir ajuda a Nossa Senhora.

Eis uma mulher que tem o dom do conselho. Não sabia encontrar uma saída para o problema do filho, mas indicou o caminho justo: Nossa Senhora. Este é o dom do conselho, deixar que o Espírito Santo fale. E aquela mulher humilde, simples, deu ao filho o verdadeiro conselho, pois olhando para Nossa Senhora o rapaz entendeu o que deveria fazer. Eu não fiz nada: a mãe, Maria e o rapaz fizeram tudo. Vocês, mães, peçam o dom de aconselharem seus filhos.

Após a catequese, o Papa saudou os peregrinos oriundos de várias partes do mundo. Aos lusófonos, disse:

Saúdo com carinho todos os peregrinos de língua portuguesa, particularmente os fiéis de Leria-Fátima e os diversos grupos do Brasil. Queridos amigos, peçamos ao Senhor o dom do conselho, para que, nas diversas circunstâncias da vida, saibamos encontrar o modo certo de falar e de nos comportarmos, de tal modo que o nosso testemunho favoreça a difusão do Evangelho. Que Deus vos abençoe!

Ao saudar os grupos italianos, Francisco agradeceu a presença da comunidade “San Patrignano”, que recupera jovens com problemas de droga. “Saúdo os familiares dos jovens de San Patrignano, aos quais me uno ao dizer ‘não’ a todo tipo de droga”.

Fonte: pt.radiovaticana.va