Via-Sacra: A paixão da humanidade no tráfico humano

RealAudioMP3 
Cidade do Vaticano (RV) – A Via-Sacra é uma oração que tem como objetivo meditar a paixão, morte e ressurreição de Cristo. Rezar a Via-Sacra significa percorrer com Jesus o caminho que leva ao Calvário.

A Via-Sacra no Coliseu de Roma nesta Sexta-feira Santa conta com as meditações escritas pelo Arcebispo de Campobasso–Boiano, sul da Itália, Dom Giancarlo Bregantini. Nelas o arcebispo aborda questões que afligem o mundo e o sul da Itália tais como: as condições dos detentos em prisões superlotadas, as mortes provocadas por resíduos tóxicos, crise econômica, precariedade, desemprego, especulação financeira, suicídios de empreendedores, os dramas dos imigrantes, a violência contra a mulher, os traumas das crianças vítimas de abusos, as dores das mães que perderam seus filhos em guerras e no abismo das drogas ou do álcool.

Com a Campanha da Fraternidade deste ano sobre o tema “Fraternidade e Tráfico Humano” e o lema “É para a liberdade que Cristo nos libertou”, a Igreja no Brasil focaliza um tema da vida social a fim de despertar a solidariedade das pessoas em relação a uma problemática concreta que envolve a sociedade brasileira, buscando caminhos e apontando soluções.

Este ano, fomos convidados pela Igreja no Brasil a refletir sobre a crueldade do tráfico humano. A maioria das pessoas traficadas é pobre ou está em situação de grande vulnerabilidade. As redes criminosas do tráfico valem-se dessa condição, que facilita o aliciamento com enganosas promessas de vida mais digna. Uma vez nas mãos dos traficantes, mulheres, homens e crianças, adolescentes e jovens são explorados em atividades contra a própria vontade e por meios violentos. Essa situação rompe com o projeto de vida na liberdade e na paz e viola a dignidade e os direitos do ser humano.

Nós conversamos com o Reitor do Colégio Pio Brasileiro, em Roma, Pe. João Roque Rohr, sobre o significado da Via-Sacra no contexto do tema da Campanha da Fraternidade deste ano “Fraternidade e Tráfico Humano”. (MJ)


Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/bra/articolo.asp?c=791887
do site da Rádio Vaticano