Jesus Cristo Sacerdote: Vítima e Altar

     Meditaçao completa ao link     http://www.ultimasmisericordias.com.br/Pagina/3590/O-SANGUE-DA-NOVA-E-ETERNA-ALIANCA

10258740_10202777904641464_1067987249522143698_n

Através do Novo Testamento, vemos como o sangue de Jesus preenche e eclipsa toda a dimensão dos sacrifícios de sangue oferecido no Velho Testamento. Vemos especialmente Jesus cumprir o papel de sacerdote, vitima e alta. A Carta aos Hebreus nos conta como Jesus lembra, ainda que de forma mais perfeita, a figura de Melquisedeque, um sacerdote de Salém, do tempo de Abraão. Melquisedeque era um homem misterioso cujo sacrifício os Judeus julgavam santo o suficiente para abençoar ate o grande patriarca Abraão. (Hebreus 7,1-10). Em Hebreus se relata que mesmo os sacrifícios de Melquisedeque eram apenas presságios. Porque Jesus nosso grande alto sacerdote – é santo, imaculado, exaltado nos céus, e apenas ele é capaz de salvar completamente todo mundo que se dirige a Deus através dele (7,25-26). Apenas Jesus pôde oferecer o sacrifício perfeito a Deus, e apenas ele pode presidir nossa Nova Aliança a qual ele ratifica com seu próprio sangue (8,1-13).

Assim como os altos sacerdotes entravam no Lugar Mais Sagrado no Templo para fazer a expiação pelo povo, Jesus entrou no perfeito santuário dos céus. E ele não levou o sangue dos animais sacrificados, mas o seu próprio sangue, o qual carrega a eterna, sem defeitos e perfeita vida de Deus (Hebreus 9,11-14). Dessa sua vida como uma oferta de sangue por nossos pecados. Enquanto os sacrifícios do Velho Testamento eram repetidos ano após ano, o sacrifício de Jesus é eterno. Nada mais é necessário para nos purificar e nos reconciliar com Deus. Fomos perdoados – uma vez por todas – pelo sangue de Jesus, perfeito, sem defeitos é imutável (10,1-3, 12-15)!.

Em nosso primeiro artigo vimos como os Judeus consideravam o altar o centro de suas louvações e o sinal da presença de Deus entre eles. O mesmo é verdadeiro para nós nos dia de hoje. Na Santa Missa, o altar da consagração tem o significado de entrega de nosso coração a Jesus Cristo, cujo sacrifício relembramos durante a oração da Eucaristia.
Na sala do andar superior Jesus abençoou o vinho e disse a seus discípulos para bebê-lo, dizendo, “Isto é o meu sangue, sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados” (Mateus 26,28). Então, na cruz, ele cumpriu essas palavras ao se sacrificar em nosso lugar. Ele tornou a si mesmo o altar: Todos os nossos pecados foram colocados sobre ele e ele os levou com ele para a morte para que assim pudéssemos nos libertar (2).
O único e o verdadeiro sacrifício para agradar o altar de Deus é Jesus Cristo (Hb 13, 10-16).

CONCLUSÃO

Sempre que for à Santa Missa, e especialmente durante a consagração, fixe seus olhos no altar. Imagine Nosso Senhor Jesus Cristo, o grande alto sacerdote, em pé diante de você, desempenhando este glorioso sacrifício dele mesmo. Imagine-o, perfeito, vítima sem defeitos, oferecendo a vida pela sua salvação. Imagine Jesus como o altar perfeito nos quais todos os seus pecados foram perdoados. Quando o pão e o vinho são elevados, aproxime-se dele. Ofereça-lhe sua vida. Ele redimiu você. Ele o justificou. Agora, deixe-o encher o todo o seu ser com o precioso sangue dele quando você tomar o cálice de beber.
Toda a nossa vida só faz sentido na dimensão eucarística. A nossa eterna salvação esta na fidelidade da vivência da ordem de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no ultimo dia” (Jo 6, 54).
Com a fé em Cristo e com a graça do bom Deus, possamos viver sempre o deslumbrante e abissal mistério da Santa Missa.

Pe. Inácio José do Vale
Pároco da Paróquia São Paulo Apóstolo
Professor de Historia da Igreja
Faculdade de Teologia de Volta Redonda 

E-mail: pe.inaciojose.osbm@hotmail.com