Sacerdotes em missão para levar a caridade e a paz

Na manhã desta Quinta-feira Santa, dia 17 de abril, o arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta, presidiu a Missa dos Santos Óleos, na Catedral Metropolitana, concelebrada pelos bispos auxiliares e presbíteros da Arquidiocese.

Nesta celebração eucarística, realizada em todas as catedrais do mundo, os sacerdotes renovam as promessas feitas no momento de sua ordenação (pobreza, castidade e obediência) e são abençoados o óleo dos enfermos, dos catecúmenos e do crisma.

Na homilia, Dom Orani destacou três aspectos retirados da liturgia do dia: a missão do sacerdote, o chamado do Ano da Caridade e a responsabilidade pela construção da paz.

Às vésperas de completar cinco anos a frente da Arquidiocese do Rio, Dom Orani afirmou que a cada dia descobre novas situações e iniciativas, novos heroísmos que enchem o seu coração de alegria.

“Não me canso de ver, de me admirar, de louvar a Deus por tantos homens de Deus que se colocam a serviço do povo e que, procurando viver no caminho da santidade e servir ao próximo, servem o povo de Deus na evangelização e na missão”, testemunhou o arcebispo.

“Que nessa renovação dos compromissos sacerdotais se renove o entusiasmo, a identidade, a generosidade, que eu tenho percebido, visto e testemunhado em todos os sinais de dedicação, de generosidade, aconteçam cada vez mais. E que também outros sejam contagiados.”

Ao recordar palavras do Papa Francisco e o exemplo de amor doação de São José de Anchieta, o cardeal recordou a vocação de amor a Deus e ao próximo, traduzido na vivência da caridade. Porém, a caridade não pode ser limitada a ação em trabalhos sociais e pastorais, mas em fazer com que o outro possa ter um encontro com Jesus, o próprio amor.

“O nosso modo de ser é baseado no amor. Partimos do amor de Deus e praticamos o bem ao outro para que as pessoas também encontrem esse amor. Não tem como não fazer o bem. Não tem como não praticar um novo olhar para o outro”, enfatizou.

E o terceiro aspecto, segundo Dom Orani, surge da vivência da vocação e olhar para o outro com caridade: pedir e construir a paz por toda a cidade, país e no mundo.

“Creio que é a Igreja que tem essa missão, de ver os seus consagrados servirem em todos os cantos dessa cidade. Que possam viver a caridade como consequência do amor ao próximo e, pela graça de Deus, ter atitudes como o fermento no meio da massa na construção da paz”, exortou.

“Que o anseio de paz que todos nós temos possa ter consequência em nossa vida. E que a Igreja presente nesta cidade possa fazer a sua parte com a caridade, com a fraternidade, com homens consagrados ao Senhor que dão a sua vida a cada momento”, disse aos presentes na Catedral.

Ao final da celebração, houve a bênção dos Santos Óleos, que foram partilhados também para os vicariatos geográficos da Arquidiocese para serem utilizados na celebração dos sacramentos nas paróquias e comunidades.