Novo bispo da Diocese de Osasco Dom Frei João Bosco Barbosa de Sousa, ofm

Dom Frei João Bosco Barbosa de Sousa, ofm

Nasceu no dia 8 de dezembro de 1952 em Guaratingueta, no Vale do Paraíba, São Paulo para onde se mudaram seus pais Ondina e Constantino, vindos de Ribeirão Branco, do interior do Estado de São Paulo.
Passou em Guarantigueta quase toda sua infância, juntamente com três irmãs Celia, Stela e Cristina. Além delas tem também uma irmã de criação, a Balbina, que permanece com a família até hoje.
Sua mãe Ondina era professora e Cristiano trabalhava nos Correios como carteiro. Cristãos fervorosos, eram membros da Ordem Terceira de São Francisco e freqüentavam a Igreja de Nossa Senhora das Graças, dirigida pelos Franciscanos.
A vocação religiosa de João Bosco manifestou-se muito cedo, devido à proximidade dos frades do Convento das Graças e do Seminário Frei Galvão, que freqüentavam a casa de Cristiano e Ondina. Com 11 anos apenas, João Bosco já preparava as malas para entrar no Seminário Franciscano de Santo Antônio, em Agudos, SP. Estava na 5ª série do primeiro grau.
Ali ficou até os 18 anos, quando, terminado o segundo grau, tornou-se noviço e passou um ano em Santa Catarina, na cidade de Rodeio. No dia 20 de janeiro de 1972 fez a sua primeira profissão religiosa, tornando-se frade franciscano.
Vieram os estudos de Filosofia e Teologia, feitos em Petrópolis, no Rio de Janeiro, no Instituto Filosófico e Teológico Franciscano. A Profissão perpétua aconteceu em Agudos, no dia de São Francisco, 4 de outubro de 1975, quando a Província Franciscana da Imaculada Conceição celebrava os 300 anos de existência.
Frei João Bosco recebeu a Ordem do Diaconato em 6 de novembro de 1976, e seu primeiro campo de trabalho Pastoral, ainda como diácono, foi no distrito de Andrade Pinto, no município de Vassouras, RJ, distante umas duas horas do Instituto de Petrópolis.
A Ordenação Sacerdotal aconteceu em Guaratinguetá, sua terra natal, no dia 7 de janeiro, Festa dos Santos Reis, em 1978.
Nos primeiros vinte anos de padre, Frei João Bosco trabalhou entre São Paulo e Rio de Janeiro. Primeiro como vigário paroquial na Matriz de Santo Antônio, no bairro do Pari, na Capital Paulista. Depois, de 1983 a 1986, como pároco, em São Francisco de Assis, na Vila Clementino. Nesse mesmo período freqüentou o curso de Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Vieram os oito anos de trabalho no Rio de Janeiro. Frei João Bosco dirigiu uma produtora de audiovisuais (slides) catequéticos e didáticos, chamada Sono-Viso.
Em 1995 voltou novamente a São Paulo, na mesma paróquia de São Francisco para um período de mais três anos como pároco. Neste mesmo ano, faleceu o Sr. Cristiano, pai de Frei João Bosco.
Um novo chamado para os meios de comunicação veio em 1996: Frei João Bosco é escolhido pela Província Franciscana para ser diretor de uma rede de Rádio e TV sediada em Pato Branco, no Paraná. Foram ali sete anos, presidindo a Fundação Cultural Celinauta e trabalhando também, de 2000 a 2004 como pároco na Matriz de São Pedro Apóstolo, naquela cidade.
De volta a São Paulo, para um terceiro período de pároco na mesma paróquia de São Francisco de Assis da Vila Clementino, Frei João Bosco recebeu ali a nomeação do Papa Bento XVI para se tornar o segundo bispo de União da Vitória.
Guaratinguetá, terra do primeiro santo brasileiro, Frei Galvão, vê assim chegar ao Episcopado o seu terceiro filho e União da Vitória, uma diocese jovem, de apenas 30 anos, acolhe com alegria o seu segundo bispo, para continuar o caminho aberto com heroísmo e tenacidade pelo seu antecessor, Dom Walter Michael Ebejer, OP, que agora lhe passa agora o báculo e o encargo de conduzir o rebanho de Cristo.
No dia 16 de abril de 2014 foi publicada a nomeação para terceiro Bispo Diocesano da Diocese de Osasco.
Seja bem-vindo nós o acolhemos com carinho e prometemos nossa adesão filial

Novo bispo da Diocese de  Osasco
Dom Frei João Bosco Barbosa de Sousa, ofm

Nasceu no dia 8 de dezembro de 1952 em Guaratingueta, no Vale do Paraíba, São Paulo para onde se mudaram seus pais Ondina e Constantino, vindos de Ribeirão Branco, do interior do Estado de São Paulo.
Passou em Guarantigueta quase toda sua infância, juntamente com três irmãs Celia, Stela e Cristina. Além delas tem também uma irmã de criação, a Balbina, que permanece com a família até hoje.
Sua mãe Ondina era professora e Cristiano trabalhava nos Correios como carteiro. Cristãos fervorosos, eram membros da Ordem Terceira de São Francisco e freqüentavam a Igreja de Nossa Senhora das Graças, dirigida pelos Franciscanos.
A vocação religiosa de João Bosco manifestou-se muito cedo, devido à proximidade dos frades do Convento das Graças e do Seminário Frei Galvão, que freqüentavam a casa de Cristiano e Ondina. Com 11 anos apenas, João Bosco já  preparava as malas para entrar no Seminário Franciscano de Santo Antônio, em Agudos, SP. Estava na 5ª série do primeiro grau.
Ali ficou até os 18 anos, quando, terminado o segundo grau, tornou-se noviço e passou um ano em Santa Catarina, na cidade de Rodeio. No dia 20 de janeiro de 1972 fez a sua primeira profissão religiosa, tornando-se frade franciscano.
Vieram os estudos de Filosofia e Teologia, feitos em Petrópolis, no Rio de Janeiro, no Instituto Filosófico e Teológico Franciscano. A Profissão perpétua aconteceu em Agudos, no dia de São Francisco, 4 de outubro de 1975, quando a Província Franciscana da Imaculada Conceição celebrava os 300 anos de existência.
Frei João Bosco recebeu a Ordem do Diaconato em 6 de novembro de 1976, e seu primeiro campo de trabalho Pastoral, ainda como diácono, foi no distrito de Andrade Pinto, no município de Vassouras, RJ, distante umas duas horas do Instituto de Petrópolis.
A Ordenação Sacerdotal aconteceu em Guaratinguetá, sua terra natal, no dia 7 de janeiro, Festa dos Santos Reis, em 1978.
Nos primeiros vinte anos de padre, Frei João Bosco trabalhou entre São Paulo e Rio de Janeiro. Primeiro como vigário paroquial na Matriz de Santo Antônio, no bairro do Pari, na Capital Paulista. Depois, de 1983 a 1986, como pároco, em São Francisco de Assis, na Vila Clementino. Nesse mesmo período freqüentou o curso de Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Vieram os oito anos de trabalho no Rio de Janeiro. Frei João Bosco dirigiu uma produtora de audiovisuais (slides) catequéticos e didáticos, chamada Sono-Viso.
Em 1995 voltou novamente a São Paulo, na mesma paróquia de São Francisco para um período de mais três anos como pároco. Neste mesmo ano, faleceu o Sr. Cristiano, pai de Frei João Bosco.
Um novo chamado para os meios de comunicação veio em 1996: Frei João Bosco é escolhido pela Província Franciscana para ser diretor de uma rede de Rádio e TV sediada em Pato Branco, no Paraná. Foram ali sete anos, presidindo a Fundação Cultural Celinauta e trabalhando também, de 2000 a 2004 como pároco na Matriz de São Pedro Apóstolo, naquela cidade.
De volta a São Paulo, para um terceiro período de pároco na mesma paróquia de São Francisco de Assis da Vila Clementino, Frei João Bosco recebeu ali a nomeação do Papa Bento XVI para se tornar o segundo bispo de União da Vitória.
Guaratinguetá, terra do primeiro santo brasileiro, Frei Galvão, vê assim chegar ao Episcopado o seu terceiro filho e União da Vitória, uma diocese jovem, de apenas 30 anos, acolhe com alegria o seu segundo bispo, para continuar o caminho aberto com heroísmo e tenacidade pelo seu antecessor, Dom Walter Michael Ebejer, OP, que agora lhe passa agora o báculo e o encargo de conduzir o rebanho de Cristo.
No dia 16 de abril de 2014 foi publicada a nomeação para terceiro Bispo Diocesano da Diocese de Osasco.
Seja bem-vindo nós o acolhemos com carinho e prometemos nossa adesão filial