Amor e ódio

Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba

Na bíblia aparece a expressão “olho por olho, dente por dente” (Ex 21, 24; Mt 5, 38), correspondendo à reciprocidade no crime e na pena. É o chamado Código de Hamurabi, ou lei de talião, encontrado em 1780 antes de Cristo, no Reino da Babilônia. Era uma lei severa e cruel para conseguir ordem e equilíbrio na sociedade da Mesopotâmia.

A desordem na sociedade brasileira tem provocado atitudes muito parecidas. É o caso de fazer justiça com as próprias mãos. Isto tem acontecido com frequência, mas não é o caminho de alternativa para conseguir paz e harmonia. Vai contra os princípios do amor que tem dimensão universal. Na visão cristã, por nenhum motivo é lícito odiar o outro a ponto de tirar-lhe a vida.

Numa situação desta não há lugar para o perdão. Jesus proíbe aos cristãos resistir ao mal com a vingança. Eles devem amar amigos e inimigos. É uma exigência que desafia o ser humano, porque a pessoa tem que se despir de todo tipo de maldade e ver no outro sua própria imagem. Existe o ditado de que “não devo fazer ao outro o que eu não gostaria que fosse feito a mim”.

É até difícil falar em “não violência” numa cultura violenta, injusta, impiedosa e desumana. Sendo mais incisivo, muitos caem no desespero, no medo, se encasulam e passam a odiar a tudo e a todos. Perdem o rumo e até o estímulo para viver. Quem “pode” investe nos meios de segurança e vivem nos casulos herméticos, mas sempre desconfiados de que o pior acontecer.

A pessoa de fé coloca sua segurança em Deus, em forças que estão além de suas possibilidades. A vida não nos pertence, mas tem que ser defendida até às últimas consequências. Não é fácil ter a tranquilidade pregada por Cristo, mesmo convivendo com sacrifícios e enfrentamentos na convivência.

Não podemos deixar que o ódio e a vingança dominem o amor, o bem como destino de todas as pessoas. Amar é ter liberdade e capacidade de bons relacionamentos, construindo vidas.