Paz com fraternidade

Cardeal Odilo P. Scherer

Arcebispo de São Paulo

A primeira Mensagem do papa Francisco para o Dia Mundial da Paz trata do tema “Fraternidade, fundamento e caminho para a paz”. O Papa vai ao essencial e fala de “fundamento” e “caminho”: fraternidade, como base sólida. Se a paz não for edificada sobre ela, não terá solidez e qualquer estremecida a pode abalar e romper.

Não deixa de ser verdadeiro que “a paz é obra da justiça”; mas a justiça fria, sem a  marca da fraternidade, não é capaz de edificar paz verdadeira. Mais ainda, se a justiça for a dos vencedores, dos mais fortes e prepotentes… A fraternidade sim, aliada à justiça, será capaz de dar fundamento sólido à paz.

A segunda parte do tema fala em “caminho”: a fraternidade é caminho para a paz. Se queremos a paz, promovamos a fraternidade; Não é o uso da força e da violência que consegue a paz; sem a força desarmada da fraternidade, a paz não será verdadeira nem firme. Paz forçada, com humilhação, suscita ódio e sede de vingança.

Muitas são as razões para edificar a paz na fraternidade, percorrendo os caminhos da fraternidade: o homem não é feito para o ódio, mas para o diálogo e a convivência. Mesmo se há alguma filosofia que afirma serem a violência e o ódio as tendências básicas do ser humano (“homo hominis lupo”), não é assim que o cristianismo vê o homem.

O próximo não deve ser visto como um concorrente, um adversário ou um inimigo a eliminar. Somos todos membros da grande família humana, descendentes de Adão e Eva, filhos amados do único Deus e Pai. Somos irmãos em Jesus Cristo – “vós todos sois irmãos”… E, porque somos “filhos no Filho”, temos acesso a Deus e estamos diante de Deus com igual dignidade.

Estas razões da fé nos fazem ver em cada ser humano um irmão e irmã, um companheiro de caminho, com quem temos a graça de percorrer as estradas da vida, unidos pelos suaves laços da fraternidade. A solidariedade expressa de forma concreta a fraternidade e traduz o interesse de uns pelos outros; alegrias, dores e esperanças de nossos irmãos nos dizem respeito e são, de alguma forma, também nossas.

O Papa vai a algumas conseqüências práticas. Lembra a encíclica de Bento XVI Caritas in Veritate, de predecessor, Bento XVI, que já havia apontado para a necessidade de introduzir na economia a lógica da solidariedade e da gratuidade. Já o haviam dito também Paulo VI, na encíclica Populorum Progressio, e João Paulo II, na Sollicitudo Rei Socialis.

A economia movida pela lógica da concorrência e pela busca do lucro sempre maior, não consegue eliminar a pobreza; pelo contrário, acaba eliminando oportunidades e empurrando sempre mais gente para a pobreza. A fraternidade é necessária para vencer a pobreza; a vida econômica precisa deixar-se revitalizar pelo oxigênio da fraternidade, para não ser vitimada pela concentração asfixiante de bens e oportunidades.

As guerras continuam a manchar o convívio entre os povos. Como superá-las? Responde o papa Francisco: “a fraternidade extingue a guerra”, porque faz cair os motivos da guerra e introduz uma nova lógica no convívio entre os povos.

A corrupção e o crime organizado são contrários à fraternidade; são males sociais e morais que desencadeiam outros males. Finalmente, lembra o Papa: a natureza será cuidada e preservada, se tivermos em conta que não somos os seus únicos beneficiários; a ecologia também requer atitudes e comportamentos mais fraternos.

Anúncios